Relaxa, gata!

February 17th, 2014 | | 1 Comment »

(Este texto é da programadora Katie Cunningham e foi publicado em seu blog pessoal, The Real Katie, e no BuzzFeed. A tradução é minha. Aceito correções e revisões.)

Recentemente, me perguntaram por que uma mulher que adora programar largaria esse ofício. Sério: houve um momento da minha vida em que eu decidi que programar era algo que eu só faria em privado. Só agora estou devagar voltando ao mercado.

Eu amo programar. Faço isso desde antes da puberdade. Fazia isso quando mal tinha dinheiro pra pagar o servidor. Faço isso nos fins de semana e noites, e estou ensinando meus filhos como fazê-lo. Gastei milhares de dólares para ir a conferências para poder aprender mais. Por que eu largaria uma profissão em que sou paga para fazer o que amo?

Em resumo, eu cansei de ouvir “relaxa”.

Tooga/Getty Images via BuzzFeed

Tooga/Getty Images via BuzzFeed

Essa indústria carrega um machismo sutil. Eu quase prefiro machismo aberto, porque pelo menos você consegue apontá-lo. As farpas sutis são geralmente descartadas como algo com que eu não preciso me preocupar. É uma piada! Afe. Por que você é tão sensível? Eu só fiz uma piada sobre você ter que estar na cozinha!

Relaxa.

As farpas também não são sempre piadas. Às vezes, são tentativas de me empurrar para um papel tradicionalmente “feminino”. Como mulher, eu fui a única pessoa do grupo a quem pediram para organizar um lanche (supostamente, esse é um trabalho indigno para homens). Eu fui a única a quem pediram para tomar notas numa reunião… mesmo quando eu sou a apresentadora (porque meu título deveria ser “secretária que deixamos entrar nos servidores”). Uma vez eu tive um chefe que queria tanto me transformar em sua secretária pessoal, que acabamos numa reunião com o RH (ele, homem e branco, deveria poder reinar sobre a única mulher da equipe!).

Por que eu tenho que levar tudo isso pro lado pessoal? Afe.

Relaxa.

Às vezes, mesmo os golpes nada sutis são difíceis de combater. O que você diz para o cara que senta na frente da sua mesa e faz um comentário pra todo mundo sobre isso? “Opa, a Katie veio com o vestido decotado hoje! Já sei onde vou sentar!” Dizer alguma coisa e desviar o assunto da reunião? Ir para o RH e entubar o trabalho dele quando ele for transferido ou despedido? Ser transferida para fora da melhor equipe e definhar em outro departamento? Começar a usar suéteres, apesar de os meus peitos ficarem fervendo lá dentro (é, essa é uma razão de as mulheres gostarem de decotes)? Qual rótulo eu vou querer hoje? Frígida ou vagabunda?

O que tem de errado com você? Foi um comentário! Aposto que você o processaria se ele comentasse sobre os seus sapatos.

Relaxa.

Toda vez que eu falei dessa porcaria toda, eu consegui alguma compreensão, mas também gente que não entende qual é o grande problema. Se eu não estou no meio de ser estuprada ou espancada ou ameaçada ou demitida, adivinha o que eu tenho que fazer?

Relaxa.

Quanto tempo você aguentaria isso? Você ama alguma coisa tanto assim? Se sua mulher tratasse você sutilmente feito lixo todo dia, quanto tempo duraria seu casamento? Se você visse um amigo sendo tratado assim pelo chefe, você não falaria para ele pedir demissão?

Ou você diria a ele para relaxar?

Você aí, me mandando relaxar, viu uma coisinha. Não pareceu grande coisa, né? Uma gracinha! Uma piada! Um comentário! Mas não é só uma coisa para mim: é uma das milhares que eu tive que aguentar desde que eu tinha idade suficiente para me dizerem “X é para garotos!”. Provavelmente não é nem a primeira coisa com a que tive que lidar naquele dia, a menos que você tenha me visto bem cedo.

Esse é o problema com a discriminação sutil. Ela deixa aqueles mais afetados impotentes diante dela, desencorajando-os silenciosamente. Se eles se manifestam, eles ganham no mínimo desprezo, ou são chamados de opressores eles mesmos. Somos acusados de não querer direitos iguais, mas tirania.

Eu só queria que os milhões de farpas parassem, e queria que não me dissessem “relaxa”.


Uns dias

January 13th, 2014 | | No Comments »

Naqueles dias eu tive bem mais que os 20 minutos de coragem insana daquele filme que você me contou e eu não vi.

Naqueles dias eu fui um míssil teleguiado na direção do seu nariz arrebitado.

Nos dias seguintes eu pensei que tinha que mandar fabricar uma dúzia de você para envelhecerem – todos eles – na minha adega sob os meus cuidados.

Uns outros dias eu vi você em festas em bares em fotos e fiquei feliz de ser descomparada com a rival que eu achava que tinha.

Dia sim dia não eu peço conselhos que você me dá com paciência como se nós fôssemos os dois muito sábios e vividos.

Um dia ainda me cuido ou me mando para aí.

itsthefuckingtruth

 

Para ouvir: How sweet it is…


Noves fora

December 31st, 2013 | | No Comments »

Alguns chamariam de tênue o que é novo. É tênue, tenso, tonto até. Mas está aí a taxa de transferência de dados  que denuncia o exercício – por ora insípido, inodoro e etéreo – de adivinhar afinidades e criar nós.


Com que roupa eu vou?

October 7th, 2013 | | No Comments »

Dizer que eu não ligo para moda é um understatement. Estou usando jeans e camiseta desde que me entendo por gente, com uma breve incursão pelas saias indianas na época da faculdade e, antes disso, uma estranha mania por coletes no início dos anos 90.

Ultimamente tenho tentado ficar um pouco menos preconceituosa, afinal, o mundo da moda é uma indústria enorme e que tem seus próprios meandros e méritos, como aprendi naquele discurso da Meryl Streep em O Diabo Veste Prada.

Mesmo assim, com a coisa de simplificar a vida, tenho pensado muito em um guarda-roupa minimalista. Eu acho de verdade que se eu tivesse ainda menos roupas minha vida seria mais fácil. Fui pesquisar e descobri que não estou só. Aqui vai uma lista de alguns conceitos e projetos que me chamaram a atenção.

Capsule wardrobe

O conceito veio da Susie Faux, dona da loja londrina Wardrobe, nos anos 70. Em 85, Donna Karan retomou a ideia com uma coleção chamada “7 easy pieces”. Nessa coleção, as modelos usavam collants pretos e leggings sobre os quais iam sobrepondo as outras peças. Desde então, outras marcas têm lançado mini-coleções em que todas as roupas combinam entre si.

Uniform Project

The Uniform Project

The Uniform Project

A designer Sheena Matheiken decidiu, como um desafio de criatividade e sustentabilidade, usar só um vestido por 365 dias. Na verdade era mais de um vestido (porque ela precisava lavar), o vestido era muito versátil e ela tinha muitos acessórios, possibilitando inúmeras combinações. Ela fotografou todos os looks e convidou os leitores do blog a doar dinheiro e acessórios que depois foram revertidos em prol de uma instituição beneficente indiana. Ela falou no TEDxDubai sobre o projeto, que estreou em 2009.

Project 333

Este projeto nasceu como um post despretensioso num blog e acabou de fazer 3 anos agora em outubro. A Courtney Carver tinha um blog de simplicidade e se propôs a vestir apenas 33 peças por 3 meses – ela vai renovando o guarda-roupa ao longo do ano. Esses 33 itens incluem roupas, acessórios, joias, agasalhos e sapatos. Não contam: joias tipo aliança ou algo que você nunca tira, lingerie, camisolas, roupa de ficar em casa e roupa de exercícios (mas só vale pra fazer exercício). Todo o resto deve ser guardado fora de alcance.

O bacana do 333 é que ele é muito aberto, cada um pode tentar ao seu jeito e modificar um pouco as regras.

Six items or less

Tamsin Davies do Six Items or Less

Este projeto começou com as loiríssimas Heidi Hackemer e Tamsi Davies. O site delas já saiu do ar, mas o link acima leva para um vídeo de uma matéria do NYTimes. Pelo que eu entendi o site tinha uma pegada colaborativa, onde as pessoas podiam criar usuários e ir blogando sobre a experiência. A regra era: seis roupas por um mês, sem contar sapatos, lingerie e acessórios. Podia ter roupas repetidas para lavar, mas tinham que ser do mesmo modelo e cor das outras, senão contavam como peças extra.

Segundo a Heidi, os motivos para as pessoas embarcarem no projeto eram dos mais variados, desde anti-consumismo e controle de despesas até desafios criativos e o eu-não-ligo-para-moda. Ela menciona no vídeo que ficou chocada de as pessoas não perceberem que ela estava vestindo as mesmas roupas de novo e de novo.

Six items challenge

Parece inspiradíssimo no projeto Six Items or Less, mas com uma pegada muito mais religiosa-política focada em compaixão e justiça social. Quem comanda o site é uma organização inglesa sem fins lucrativos, e o projeto funciona em épocas específicas: o próximo desafio está marcado para a quaresma de 2014. Como é um blog colaborativo, tem de tudo, as fotos não são tão bacanas quanto as dos outros projetos, e algumas pessoas não parecem tão ligadas em moda. Para cada participante, há uma página de doações para a ONG, que milita pelos direitos dos trabalhadores da indústria têxtil.

Ten item wardrobe

A Jennifer Scott é autora de uma coluna no Huffington Post, um blog e um livro onde ela conta a história de como ela aprendeu a ser chique em Paris. Ela foi para lá adolescente para um intercâmbio, e na casa onde ficou o armário era infinitamente menor que a quantidade de roupas que tinha levado.

Ela seleciona 10 peças por estação – sapatos e casacos pesados não contam. A filosofia da Jennifer – aprendida da Mme Chic – é que tem que estar sempre arrumadinha, não importando se é pra ir na esquina ou ficar em casa. Se você tiver só suas peças favoritas, vai estar sempre bem vestida.

Dos blogs brasileiros que eu achei parecidos com esses projetos, se destacam o Um ano sem Zara e o Oficina de Estilo. O primeiro foi um esforço da blogueira para chegar na conta bancária “em azul” por não comprar roupas por um ano. O segundo é de consultoras de moda que acreditam no lema “menos é mais”.

E falando em menos, tem o blog menos da Claudia Regina que, mesmo rejeitando o adjetivo “minimalista”, vive com um guarda-roupa ínfimo – e esse eu vi em primeira mão!

É claro que quem se dispõe a participar num desses desafios sabe onde o calo aperta. Tem gente que trabalha em casa e não precisa mesmo de tanta roupa, tem gente que mora em lugar quente e teria que botar a lavanderia para funcionar a full, tem quem realmente não consegue ficar sem mil opções. De qualquer maneira, é interessante observar que ter tudo ao mesmo tempo agora não precisa ser o padrão.

Se até o Obama conseguiu simplificar, quem não consegue?


Um belo dia eu resolvi mudar

September 18th, 2013 | | 3 Comments »

caixa

Há quanto tempo você não muda? Empacota tudo, endereço novo, casa nova, caixas, caminhão, desempacota tudo, reorganiza… Todo mundo gosta de uma casa nova, da sensação de começar do zero e ter tudo arrumado, mas ninguém gosta da parte braçal da mudança. É por isso que, quanto mais móvel uma pessoa é, menos móveis ela tem – vide “estudante universitário” versus “casa da vovó”. Além disso, à medida que as circunstâncias de vida vão mudando, os objetos vão ficando para trás, por isso a casa da vovó às vezes guarda uns tantos livros universitários de priscas eras.

E se você tivesse que se mudar hoje, o que levaria? Sonhe sua casa nova, ou faça de conta que acabou de mudar para onde mora agora. Pergunte-se se os objetos à sua volta são úteis, bonitos e/ou lhe trazem lembranças agradáveis. Eles devem ter pelo menos uma dessas qualidades, se não mais! Quais objetos merecem o caminho de serem embrulhados, o suor de quem carrega as caixas, espaço no caminhão e um cantinho na sua casa nova imaginária?

O resto pode ser doado, reciclado, descartado. Olhe o fundo dos armários. Lembre-se de quem precisa mais. Se quiser lembrar de objetos queridos mas que já não merecem seu espaço, tire uma foto. E se a preguiça ou a falta de tempo falarem mais alto, lembre-se de que pelo menos nesse faz-de-conta não é preciso carregar nada!


Bituca e Guimba não podem ir à praia

July 31st, 2013 | | 1 Comment »

Não, eles não são compositores de samba-enredo. Bituca e guimba são duas palavras (até bonitinhas!) para designar o filtro de um cigarro fumado (nada bonitinho).

Soggy and Hard to Light

Confesso que não participo da tentativa de demonização dos fumantes. Sei que cigarro faz mal, mas tenho cá minhas simpatias por um ou outro fumante mais charmoso. O que acaba mesmo com qualquer boa-vontade da minha parte é ver alguém jogando bituca no chão. São bilhões de pedacinhos aparentemente inofensivos de acetato de celulose descartados inadequadamente ao redor do mundo a cada ano. Além de enfeiar a cidade e as praias, as bitucas terminam, quase invariavelmente, nos rios e oceanos. Cada guimba contamina aproximadamente 8 litros de água, matando microorganismos, e animais maiores são fatalmente enganados pelas supostas minhoquinhas.

É um problema fácil de resolver: não jogue as guimbas no chão, oras. As lixeiras urbanas em geral têm uma placa de metal onde o cigarro pode ser apagado antes de ser descartado. Uma alternativa um pouco mais trabalhosa é carregar seu próprio cinzeiro portátil, que pode ser um tubo de filme fotográfico, um estojinho de fio-dental, este cinzeiro lindo da Zippo ou esta caixinha australiana que faz piada visual com a palavra em inglês para guimba,butt (bumbum). E esses dias vi duas garotas apagarem os cigarros de um jeito inusitado: apertando a parte próxima ao filtro para expulsar a brasinha (para não ter que apagar o cigarro contra uma superfície) e carregando a bituca por mais alguns passos até achar uma lixeira.

Minha curiosidade é saber se o bom exemplo e a aura cool das pessoas que têm consideração para com o meio-ambiente e a limpeza urbana vão ser tão contagiosos quanto o foram, cada um a seu tempo, o tabagismo e o anti-tabagismo. O que você acha?

Publicado originalmente em 27.5.08 no meu extinto blog Simplim. “Simplicidade voluntária, vida simples, descomplicações e urbanidades. Para tribos diversas e enfoques variados.”

Mais infos sobre bitucas aqui, aqui e aqui.


Eu não sei dizer nada por dizer

July 10th, 2013 | | No Comments »

Quando eu era criança fiquei fascinada pelos programas “Ensaio“, da TV Cultura. A ideia de não ouvir as perguntas mas apenas as respostas do artista, ali em close-up, muitas vezes em branco-e-preto, a fumaça do cigarro subindo pela cena, aquilo me encantava. Era uma sensação de intimidade louca, de papo de bar. Eu já sabia o que era um papo de bar porque as crianças nos anos 80 eram carregadas aos programas dos pais como coadjuvantes. Bons tempos.

Aí lá no meio dos 2000 surgiu o projeto On Being, do Washington Post. Desta vez a ideia era pegar pessoas semi-comuns da cidade de Washington DC e filmá-las contando sobre algo que as faz especial ou que elas amam muito. Queijo, maquiagem de palhaço, futebol americano, o sacerdócio. Qualquer coisa. O resultado, nesse fundo branco meio propaganda da Gap, também é hipnotizante. A interface online da coisa toda na época –  nem faz tanto assim, 2007 – era digna de prêmios, hoje é um pé gigante na paciência. Infelizmente poucos dos vídeos estão disponíveis no YouTube.

Da última vez que escrevi sobre On Being emendei o assunto em Up, porque é impossível não fazê-lo. Assisti ao 56 Up há poucas semanas. Este não é o mais emocionante dos filmes: todo mundo está com os netos, se aposentando, meio na mesma, não acontece nada de super emocionante. Por isso, o Apted se demora em provocar nos personagens reflexões meta-filme, para que eles falem das repercussões da série em suas próprias vidas. Também é o primeiro filme em que ele envolve e entrevista mais demoradamente personagens secundários: os filhos e cônjuges ligados às narrativas principais.

E nossas vidas a cada 7 anos, como seriam? Como seria esse retrato dos 7, 14, 21, 28, 35? E qual é a média dos nossos amigos, por que lado vieram as ondas de casamentos, namoros, filhos, separações, rejeições, perdas, conquistas? Qual história estamos contando? Quem é que está escrevendo esse script torto com linhas certas?

Como diz o físico do filme: “Não é um retrato exato de mim, mas é o retrato de alguém.”


Mas sonho que se sonha junto é realidade

July 8th, 2013 | | No Comments »
Toca Raul!

Eu gostei daquela vez que tivemos o mesmo sonho com três dias de diferença, sem um ter contado pro outro. Era um elevador que andava na horizontal, e achamos que talvez pudéssemos estar com a sensação de estarmos sendo carregados.

Gostei de quando eu esqueci de levar o agasalho pro escritório e o meu chefe velhinho me emprestou uma japona de nylon grandona, e depois eu não lembro se fui eu ou ele quem apareceu com uma tirinha do woodstock e do snoopy sobre sentir frio.

Snoopy Shaw

Gostei daquele gringo que disse pra mim que quis vir aqui porque os alunos dele lá na terra distante eram imigrantes, e ele queria estar na pele de quem não fala um pingo da língua do país.

Gostei do dia em que um amigo e uma amiga, cada um de um canto diferente, se encontraram sem querer numa fila de bar e falaram de mim.

Gostei de ter conhecido um amigo online que virou offline e ele ter dito que meus olhos são de espartilho e não ter conseguido explicar.

Gosto muito de chegar em casa e ver tudo arrumado sabendo que se dependesse de mim ia estar uma bagunça.

Gostei de quando o meu pai me disse que dava apoio incondicional se eu quisesse mudar as coisas na minha vida, e gostei mais ainda daquela vez, antes, quando minha mãe disse a remesmíssima coisa. Eu escutei nas duas vezes.

Estou tentando me lembrar de coisas boas porque, sinceramente, senão não dá. Gosto quando dias ruins acabam.

(Estava salvo como draft desde agosto/2009, publiquei com alterações mínimas.)


Sua pose de princesa

July 4th, 2013 | | 1 Comment »

A história é assim: uma engenheira lá dos EUA – o nome dela é Debbie – reparou que 90% dos seus colegas são homens (que surpresa, na Física também é assim). Ela viu que meninas perdem o interesse por engenharia depois de uma certa idade e resolveu fazer um brinquedo que as mantivesse interessadas. Pesquisando, ela reparou que não basta “rosificar” os brinquedos dos meninos. Meninas gostam de narrativas e de cooperação. Aí ela fez um protótipo, testou, botou no Kickstarter pra conseguir $150k, e conseguiu uns $280k pra financiar a produção dos próximos dois livros-brinquedo. A Toys’R'Us está vendendo nas lojas e este vídeo fofo e sensacional é para divulgação. A letra da música é toda original, elas só trocaram uma frase no refrão: “More than a princess!”.

O primeiro brinquedo da série é um tabuleiro em que se encaixam pinos e roldanas (e mais uns bonequinhos de personagem) e que podem ser interligados com uma fita que faz as vezes de correia para que os bonequinhos girem. Ao longo do livro a personagem testa várias configurações para ver o que acontece.

Se quiser saber mais sobre mulheres em ciência, pesquise “women in STEM” ou “girls in STEM“. Só pra começar, tem uma seção do Huffington Post e uma página da White House sobre isso. Para ler histórias de mulheres pioneiras em STEM e de brinde ver deliciosas fotos vintage, veja Grandma got STEM. STEM, a propósito, é a sigla em inglês para englobar carreiras em  ciência, tecnologia, engenharia e  matemática.

Sou privilegiada, conheço tantas mulheres incríveis nessas áreas que não consigo nem enumerar.

(Via Miss Representation. Postado originalmente no meu Facebook, tive que trazer para cá para não perder, como faz o Roney.)


Indignação

June 22nd, 2013 | | No Comments »

“A indignação é parecida com um monte de outras coisas que são boas de sentir mas, ao longo do tempo, nos devoram de dentro para fora. Só que é ainda mais insidiosa do que a maioria dos vícios porque nós nem admitimos conscientemente que ela é um prazer. Nós preferimos pensar nela como uma reação desagradável mas fundamentalmente saudável aos estímulos negativos, como dor ou náusea, em vez de admitir que é uma emoção vergonhosa à qual nos entregamos avidamente de novo e de novo, feito masturbação compulsiva.

E, como em todos os vícios, grandes e lucrativas indústrias estão prontas para nos entregar o material necessário. Às vezes parece que a maior parte das notícias são ‘pornografia de indignação’, selecionadas especificamente para satisfazer nosso impulso de julgar e punir, para nos encher de indignação justificada.”

—Tim Kreider, We Learn Nothing

Via Gina Trapani