August 5th, 2003 | | No Comments »



Elas são neuróticas, histéricas, incoerentes, insaciáveis, malucas, imaturas, compulsivas. E eu continuo completamente viciada…

Acabamos de assistir à quarta temporada (18 episódios em 3 dias) e eu continuo achando que não quero encontrar mulheres tão loucas nem tão cedo. Claro, se não fossem todos os exageros, não haveria a série, mas quem é que agüenta?

Elas bebem demais – mas nesta temporada não deram nenhum vexame.

Elas compram demais – mas pelo menos deram um jeito de admitir isso, quando uma personagem não consegue comprar um apartamento porque gastou 40.000 dólares em sapatos.

Elas nunca estão satisfeitas com homem nenhum – e, pior, fogem de um porque ele não quer compromisso, e rejeitam outro porque ele quer. (Gata Flora: cuando le ponen, grita; cuando le sacan, llora.)

Elas parecem que nunca trabalham – mas acho que desta vez as mostraram em mais situações de trabalho.

Elas não assumem o mundo adulto – mas já começam a falar em filhos, ufa, eu achei que isso não era fashion! (É que elas nunca leram as motherns…)

Elas não saem de seus mundinhos – mas pelo menos aprendem um pouco de português com a Sônia Braga.

Elas vestem carapuças definidas: a descolada, a romântica, a racional, a dadeira – e a maior parte das mulheres é uma mistura disso tudo.

Vendo esta série, I couldn’t help but wonder: estarão as mulheres modernas tão perdidas e neuróticas que seus dramas podem ser explorados ad infinitum numa série de tv? E, se sim, será que nós temos problemas tão previsíveis que todo mundo consegue se reconhecer ou reconhecer às amigas?



Leave a Reply