Tia Zilah

July 6th, 2010 | | No Comments »

Meu pai menino veio do interior para o Rio morar com uma tia cujos filhos já estavam crescidos. “Preciso de companhia”, ela disse. Eram todos galalaus e a única moça era a mais velha, metida com políticas. Para o assombro do primo do interior, queimavam-se papéis e livros do Partido Comunista no auge da repressão, com um lençol protegendo o relumejar da chama dos olhares dos vizinhos e a descarga funcionando a noite inteira para se livrar das cinzas. A minha tia Zilah leu os jornais diários e teve uma opinião sobre tudo até anteontem, quando faleceu no Rio, aos 94 anos.  Não encontrei, óbvio, nenhuma prova de que ela tenha sido do Partidão.

Descanse em paz, tia Zilah.

(Mulheres extraordinárias nascem de mulheres extraordinárias.)



Leave a Reply