Fossem somente crianças

June 30th, 2011 | | No Comments »

Aos amigos que têm filhos, pergunto algumas coisas sobre as quais não tenho nem idéia.

O que é que as crianças aprendem de prático na escola hoje? Dessas coisas que nunca aprendemos: educação financeira, consumo, cidadania, educação para o trânsito, ambientalismo, economia doméstica, informática, ética?

E as coisas que na escola tradicional são consideradas “menores” e na nossa época às vezes deixavam a desejar? Artes plásticas, música, dança, teatro, esporte. Os filhos de vocês estão aprendendo essas coisas de alguém?

Como é que vocês tapam esses buracos, se os há? O dia a dia é aproveitado para pequenas lições ou isso é muito chato? Dá pra ensinar um pouco na rua, em frente à tv, nas brincadeiras, perto dos avós?

E, finalmente, como funciona a relação com os adultos próximos? Vocês têm uma pequena aldeia para criar seus filhos ou ainda sentem que têm sozinhos a tarefa de proteger a cria?

Eu não falei que ia fazer perguntas fáceis.

Para ouvir:


Vou pedir um Café pra nós dois.

June 3rd, 2011 | | 3 Comments »

Por que eu apoio e participo do Café 22.

Todas as vezes que eu tento explicar o que é o Café 22 para alguém, saio da conversa achando que não me expressei direito. E olha que eu já tentei de tudo. “TED de quintal”, “um evento de palestras”, “amigos trocando conhecimento”, “palestras de 15 minutos sobre qualquer coisa”, “compartilhamento de paixões”. Fica sempre uma distância entre o real e a descrição. Pelo visto, não sou só eu que penso assim. Já vi várias pessoas comentando sobre o espírito, o clima, a energia do Café 22, que são todas características intangíveis do evento.

Depois da última edição do Café 22, sábado passado, cheguei à conclusão de que o meu café vem em três xícaras, três ângulos, três facetas.

A dimensão utópica é a descrição do Café 22 que aparece no site e a maneira como em geral tento descrevê-lo: um evento de compartilhamento de idéias, conhecimentos e paixões. É um movimento que segue as tendências atuais de formação de comunidades por interesse, on e offline. “Idéias novas e assuntos pelos quais nossos amigos são intensamente apaixonados.”

O lado prático do café se revela ao constatar que somos um conjunto de pessoas que de alguma forma faz esse evento acontecer. A mecânica das inscrições, a divulgação, a produção do evento, o coffee break, os detalhes técnicos, os contatos com patrocinadores que gentilmente cedem espaço ou equipamentos, a produção de conteúdo e de um blog. Tudo isso pode ser colocado no currículo de qualquer um de nós e nos evidencia como uma equipe, um coletivo, uma referência.

A terceira faceta é a afetiva. Nada substitui o prazer de se verem tantas amizades e tanta intimidade surgindo que talvez não fossem acontecer em outro lugar. Surgem piadas internas, contatos profissionais, dicas imperdíveis – um curso bacana, um tênis diferente, um livro pertinente – e o senso de uma verdadeira comunidade.

Eu tenho um orgulho danado de fazer parte desse tal de Café 22.

Leia mais, veja os vídeos, venha para o nosso ou faça o seu. Garanto que você vai gostar.