O futuro não é mais como era antigamente

December 28th, 2011 | | 2 Comments »

De tudo o que li em 2011, o que mais me agradou foram os artigos que indicam as tendências para a vida no futuro, principalmente nos grandes centros urbanos. É sempre bom ver a própria utopia se transformando em mainstream. E, falando em utopia, foi o sonho nem tão curto assim dos occupiers deste ano que colocou em pauta uma transformação que já não pode ser ignorada.

Então eu, que já achava o crescimento desordenado e a ditadura do mercado coisas pra lá de cafonas, me arvoro a fazer minhas próprias previsões. Futurologia. Posso?

Para começar, o futuro é local. A ideia é morar, trabalhar, estudar, comprar e fazer amigos tudo no mesmo quadrado. Menos engarrafamentos, mais tempo para família e lazer e mais senso de comunidade proporcionarão uma melhora sensível na qualidade de vida de quem seguir essa tendência. Além disso, o apoio à economia local e a mudança dos meios de transporte – dispensando muitas vezes o uso de carro e incentivando caminhada, bicicletas e transporte público, nessa ordem – trarão benefícios à comunidade, à saúde e ao meio ambiente.

O futuro também é pequenininho. Todo esse esforço de localização pode sair muito caro, portanto nada de muita metragem nas casas e apartamentos. Além disso, se há atividades e amigos por perto, não é necessário ter uma casa do tipo “meu lar, meu castelo”. Isso acarreta economia de energia e outros recursos, mas também faz com que o acúmulo de bens materiais (dois cortadores de grama, três aspiradores de pó, um vestido de noiva) fique mais difícil. Uncluttering também está na moda. Não sacou? Uncluttering: “desbadulaquização”. Tudo isso faz com que sobre mais tempo para viver. É um círculo virtuoso.

A outra palavra de ordem é resiliência. Ainda que seja assim, muito de leve, de brincadeira, as pessoas estão acumulando habilidades que as fazem menos dependentes da máquina externa. Quem duvidar pode conferir os novos blogs de artesanato (crafting), jardinagem e hortas, e todo tipo de atividades faça-você-mesmo. Agricultura urbana definitivamente é o futuro. Você ainda vai comer muita salada de varanda.

E o melhor por último: consumo colaborativo. Produtos serão gradualmente substituídos por serviços e parcerias. A internet está aí para facilitar a conexão de pessoas de um mesmo CEP com os mesmos interesses. Isso vai aquecer o mercado de usados, o aluguel de equipamentos grandes e até carros entre pares, o compartilhamento de serviços (de creches a painéis solares), e a troca de conhecimento em comunidades próximas.

Eu quero estar lá para ver tudo isso. E você?

(Vale a pena ver de novo!)

Outras leituras:


2 Comments on “O futuro não é mais como era antigamente”

  1. 1 Lia said at 12:01 on December 28th, 2011:

    Amei suas previsões. Já ouvi algo parecido em 2008, e adoraria que fossem concretizadas. Ao mesmo tempo, penso que isso está mais para ‘futuro ideal’ do que ‘futuro real’, porque embora veja a economia do ‘local’ e as curtas distâncias como solução para VÁRIOS problemas urbanos – esse cenário que você descreve é exatamente o cenário que eu gostaria de ver-, tudo o que vejo acontecendo são incentivos para que o contrário aconteça – vias expressas para facilitar a locomoção de grandes distâncias, consumo cada vez mais individual (a previsão assustadora de 1 carro pra cada 2 cariocas está aí, batendo à nossa porta) e, cada vez menos, pessoas entendendo a relação entre a cidade e elas próprias, que ESTÃO nos carros e fazem com que o trânsito pare por horas, que consomem mais embalagens do que produtos, etc etc etc.

  2. 2 deniac said at 11:28 on January 3rd, 2012:

    Que venha, esse vindouro futuro!


Leave a Reply