Do tamanho ideal, pau-a-pique e sapé

January 13th, 2019 | | No Comments »

“Mas me diz uma coisa… Você já foi muito rica?”

Eu ia participar de uma matéria sobre simplicidade e a produtora (uma simpatia, é minha amiga nas redes sociais) me fez essa pergunta entre as primeiras.

Porque para essas matérias serem interessantes tem que mostrar radicalismo ou provar que não é falta de escolha – como seria para muitos. A simplicidade do pobre e do estudante não vale. Na ressaca dos movimentos de minimalismo e, depois, Marie Kondo, tem até muita gente dizendo que isso de simplicidade é elitismo. Como dizia o Joãosinho Trinta: quem gosta de pobreza é intelectual, pobre gosta é de luxo!

Eu concordo e discordo.

Concordo que a simplicidade não é tão pronta como eu mesma às vezes dou a entender. Se eu jogo fora o que não uso é porque garanto que no futuro tenho como comprar de novo. Se eu doo algo, é porque me desapetece o tempo gasto em vender, e abro mão de recuperar o dinheiro que meu eu passado gastou ali.

Mas por outro lado, por que não incentivar um novo modelo de consumo, de estética mesmo, que não o do excesso? Não é assim que as modas pegam? Tudo que é “coisa de rico” uma hora chega reinterpretado, não?

Simplicidade meio-termo, simplicidade nisso sim naquilo não, minimalismo sem “largar tudo para”, minimalismo do “sempre fui assim”, simplicidade escolhida. Tá tendo. Pode. Pode tudo! #tãosimples.

Image may contain: people sitting and indoor



Leave a Reply