The Buenos Aires Affair

August 11th, 2008 | | No Comments »
Eu penso melhor em algumas ocasiões que outras, a saber:
 
1) Tomando banho de manhã ainda meio dormindo e sentindo que a água entra nos meus cabelos desgrenhados e escorre pela pele. Enquanto o cheiro do sabonete se encaixa em algum ano entre 94 e 2007 eu vou pensando idéias mirabolantes que em geral olham para as coisas que já passaram, não alcançando forma de nenhuma realização futura exceto a lista de pessoas para quem eu tenho que ligar e sempre esqueço e os próximos três compromissos noturnos.
 
2) Nos dez minutos antes de cair no sono, em que as idéias se embolam e se eu não for cuidadosa viram um pesadelo infinito de preocupações e pendências, mas em compensação podem virar uma ilusão de casulo e amornar o pé.
 
3) Olhando através da janela do ônibus e vendo pernas brancas pretas e amarelas do bonde do Drummond. Passam barracos quitandas e armazéns e eu penso em sensações telefonemas e listas de coisas a fazer.
 
4) Andando na rua quando o inverno quase acaba e sentindo que os pés saem do chão e o ar abre passagem e o ar já não é um gás rarefeito, é a essência mesmo das pessoas que me cercam e em quem eu penso, e me espantando com o espanto das pessoas que vêem meu sorriso.
 
(Lendo Gladys no Buenos Aires Affair. Enumérica…)


Leave a Reply