Meu corpo combina com seu jeito

September 30th, 2009 | | No Comments »

O corpo acostuma. É o que eu acho mais bonito, não interessa onde: o impulso da bola de vôlei, a pressão certa do instrumento musical sobre o corpo ou vice-versa, o peso da bailarina no pas-de-deux, o toque da mão do outro naquela parte pequena das costas, o abraço gostoso do amigo. O corpo acostuma com como a voz passa e acostuma a esticar o braço e alcançar o mouse, a pegar uma pitada de sal e agitar a frigideira. O corpo acostuma e reacostuma, e a gente quase esquece como ele é inteligente.

Sou toda ouvidos


Cuide de você – Sophie Calle

September 7th, 2009 | | 7 Comments »

Maffalda:
acho que vou dormir
sozinha
menina, depois marcamos um chopp pra eu te contar da expo
fiquei tão puta
Prill:
li ontem sobre essa exposição na Bravo
fiquei… car****o
mas puta? conta só um pedacinho
Maffalda:
ah.
mulheres.
sabe sex and the city?
sabe como às vezes o cara tem um defeito e as mulheres esmiuçam e amplificam
e acabam destacando o pior dos homens para verem a amiga que “merece coisa melhor” continuar sozinha?
sabe a histeria de achar que não precisam fazer nada
Prill:
uma? um?
Maffalda:
mas os homens têm que ser perfeitos?
o cara manda uma carta
Prill:
sim, sim
Maffalda:
que não é nada de mais, talvez um pouco evasiva, “ele não está a fim de você”
e chamam ele de cachorro pra baixo
só uma ou duas falam coisas sensatas
se fosse o contrário
se fosse uma mulher escrevendo a carta e uma expo sobre isso
seria ultra machista
eu ficaria ainda mais ofendida
sei lá, acho que a gente vive numa histeria coletiva onde
ser um homem hetero é uma coisa muito difícil
muito complicada
Prill:
porra… demais essa sua impressão
nossa
nossa
o Rafael está te apoiando baseado na Bravo
Maffalda:
fui vendo e fui ficando cada vez mais irritada
bufava, quase bati pezinho
(“porque essa seria uma reação super madura, Maffalda”, disse o moço)
Prill:
eu também achei exagerado. gostei da ideia, mas fiquei um pouco desconfiada
Maffalda:
a idéia é boa, tanto que mexeu
mas pô.
Prill:
receber uma carta de adeus é um tema muito bom
Maffalda:

que mulherada mais corporativista
Prill:
mas a coisa me pareceu reunião de mulheres pra falar mal do cara
Maffalda:
pois é
“ele não te merecia”
porra
essa é a pior
pior que isso só se o cara disser isso, porque aí em geral é verdade
Prill:
nossa, muito, muito bom mesmo saber isso que você viu
vou reler a carta daqui a pouco
Maffalda:
leia e depois me diga
já não se pode mais quebrar corações em paz.
ô vida.
Prill:
(me pareceu muita exposição da própria vida, dum modo que ultrapassa o que eu gosto da vida como arte, do cotidiano como arte. ficou… ahm… um pouco suzana vieira?)
Maffalda:
hahahaha
bom, posso postar isso no blog?
não digo pra ninguém que você terminou comigo por msn
Prill:
terminei?
bah, a mulher já tinha feito isso
claro que pode, eu fico pavão pracacete
Maffalda:
:*
então tá!
Prill:
fico feliz
:)

PS: Para mais sobre a dificuldade de ser homem, veja o Dan Savage falar sobre caras hetero. (Em inglês, nsfw.)
Update: Atualizei o link do vídeo porque ele foi tirado do ar no canal original. Provavelmente por causa dos palavrões, quem sabe? (junho/2013)


Mulher de um homem só

September 3rd, 2009 | | 1 Comment »

Maffalda (por Alex Castro)Muita coisa já foi dita sobre o livro de Alex Castro, Mulher de um homem só. A narradora, que é estranhamente onisciente, fala de um tempo indeterminado no futuro onde muito já aconteceu – três gerações adiante? Também disseram, e com razão, que as neuroses dela são legitimamente femininas, revelando a compreensão que o autor tem das mulheres – árdua pesquisa, deve ter sido. Li também por aí alguém querendo saber por que as duas mulheres do livro nem se matam nem se comem. Seria outro livro, e nesse caso o título mudaria totalmente de sentido.

Gostei do estilo intimista da narradora, do vaivém dos fatos, afinal, ninguém se senta num boteco e conta tudo em ordem cronológica. Já fui Carla, já fui Júlia, já tive uma Júlia e se bobear fui até Murilo. Mas nao é esse o pulo de gato do livro. O grande lance é que até os que não são versados em armações triangulísticas se identificam com o livro porque MDUHS é sobre intimidade. Não amor, não ciúme, não relacionamentos. Intimidade.

A intimidade entre amigos de adolescência que faz com que um ature as idiossincrasias do outro e a outra saiba as taras do um, se eu mexer meu pé assim ele fica bem à sua vista, vou abaixar aqui pra pegar uma coisa no chão mas vê se não olha pra minha bunda, claro que eu quero que você olhe, tá bobo?

A intimidade entre marido e mulher que faz o controle mais fácil e simula aquilo que chamam de amor plácido, querido, vamos batizá-las, sim, querida, a madrinha será aquela que você não gosta, e sua mãe se intromete tanto.

A intimidade entre inimigas cordiais, fica quieta e mexe no meu cabelo, or causa dos santos a gente beija as pedras, não sei muito bem como me livrar de você, não quero seu mal mas por favor suma do mundo.

E depois as intimidades pequenas entre madrinha e afilhada, a outra amiga da adolescência, a mãe de alguém próxima, a própria mãe numa intimidade incômoda que geral palpites infelizes.

No fim fiquei achando que faltava à Carla um pouco mais de intimidade com outras pessoas, ou com um terapeuta, não sei. O final suspenso me diz que um dia a coisa muda, devagar, porque tudo muda se alguém muda. Mas a essa altura do campeonato todo leitor já tem intimidade com os personagens e sabe adivinhar o que acontece depois. Leia.


O falar por falar sendo assim não se diz

September 1st, 2009 | | No Comments »

Bonito mas é melhor anotar que achei, porque depois posso não lembrar que o que queria mesmo era estar aqui mas não no por dentro da minha pele, queria estar ali cantando e remexendo e sendo outra, bonito mas quantas quis ser no meu futuro imaginário desejando ser ainda melhor, brilho e mãe e ainda assim ainda não e talvez nunca. E os outros adivinham isso em mim mas, claro, a dificuldade de adivinhar os outros às vezes é imensa. Sem jeito pra saralho.