Com que roupa eu vou?

October 7th, 2013 | | No Comments »

Dizer que eu não ligo para moda é um understatement. Estou usando jeans e camiseta desde que me entendo por gente, com uma breve incursão pelas saias indianas na época da faculdade e, antes disso, uma estranha mania por coletes no início dos anos 90.

Ultimamente tenho tentado ficar um pouco menos preconceituosa, afinal, o mundo da moda é uma indústria enorme e que tem seus próprios meandros e méritos, como aprendi naquele discurso da Meryl Streep em O Diabo Veste Prada.

Mesmo assim, com a coisa de simplificar a vida, tenho pensado muito em um guarda-roupa minimalista. Eu acho de verdade que se eu tivesse ainda menos roupas minha vida seria mais fácil. Fui pesquisar e descobri que não estou só. Aqui vai uma lista de alguns conceitos e projetos que me chamaram a atenção.

Capsule wardrobe

O conceito veio da Susie Faux, dona da loja londrina Wardrobe, nos anos 70. Em 85, Donna Karan retomou a ideia com uma coleção chamada “7 easy pieces”. Nessa coleção, as modelos usavam collants pretos e leggings sobre os quais iam sobrepondo as outras peças. Desde então, outras marcas têm lançado mini-coleções em que todas as roupas combinam entre si.

Uniform Project

The Uniform Project

The Uniform Project

A designer Sheena Matheiken decidiu, como um desafio de criatividade e sustentabilidade, usar só um vestido por 365 dias. Na verdade era mais de um vestido (porque ela precisava lavar), o vestido era muito versátil e ela tinha muitos acessórios, possibilitando inúmeras combinações. Ela fotografou todos os looks e convidou os leitores do blog a doar dinheiro e acessórios que depois foram revertidos em prol de uma instituição beneficente indiana. Ela falou no TEDxDubai sobre o projeto, que estreou em 2009.

Project 333

Este projeto nasceu como um post despretensioso num blog e acabou de fazer 3 anos agora em outubro. A Courtney Carver tinha um blog de simplicidade e se propôs a vestir apenas 33 peças por 3 meses – ela vai renovando o guarda-roupa ao longo do ano. Esses 33 itens incluem roupas, acessórios, joias, agasalhos e sapatos. Não contam: joias tipo aliança ou algo que você nunca tira, lingerie, camisolas, roupa de ficar em casa e roupa de exercícios (mas só vale pra fazer exercício). Todo o resto deve ser guardado fora de alcance.

O bacana do 333 é que ele é muito aberto, cada um pode tentar ao seu jeito e modificar um pouco as regras.

Six items or less

Tamsin Davies do Six Items or Less

Este projeto começou com as loiríssimas Heidi Hackemer e Tamsi Davies. O site delas já saiu do ar, mas o link acima leva para um vídeo de uma matéria do NYTimes. Pelo que eu entendi o site tinha uma pegada colaborativa, onde as pessoas podiam criar usuários e ir blogando sobre a experiência. A regra era: seis roupas por um mês, sem contar sapatos, lingerie e acessórios. Podia ter roupas repetidas para lavar, mas tinham que ser do mesmo modelo e cor das outras, senão contavam como peças extra.

Segundo a Heidi, os motivos para as pessoas embarcarem no projeto eram dos mais variados, desde anti-consumismo e controle de despesas até desafios criativos e o eu-não-ligo-para-moda. Ela menciona no vídeo que ficou chocada de as pessoas não perceberem que ela estava vestindo as mesmas roupas de novo e de novo.

Six items challenge

Parece inspiradíssimo no projeto Six Items or Less, mas com uma pegada muito mais religiosa-política focada em compaixão e justiça social. Quem comanda o site é uma organização inglesa sem fins lucrativos, e o projeto funciona em épocas específicas: o próximo desafio está marcado para a quaresma de 2014. Como é um blog colaborativo, tem de tudo, as fotos não são tão bacanas quanto as dos outros projetos, e algumas pessoas não parecem tão ligadas em moda. Para cada participante, há uma página de doações para a ONG, que milita pelos direitos dos trabalhadores da indústria têxtil.

Ten item wardrobe

A Jennifer Scott é autora de uma coluna no Huffington Post, um blog e um livro onde ela conta a história de como ela aprendeu a ser chique em Paris. Ela foi para lá adolescente para um intercâmbio, e na casa onde ficou o armário era infinitamente menor que a quantidade de roupas que tinha levado.

Ela seleciona 10 peças por estação – sapatos e casacos pesados não contam. A filosofia da Jennifer – aprendida da Mme Chic – é que tem que estar sempre arrumadinha, não importando se é pra ir na esquina ou ficar em casa. Se você tiver só suas peças favoritas, vai estar sempre bem vestida.

Dos blogs brasileiros que eu achei parecidos com esses projetos, se destacam o Um ano sem Zara e o Oficina de Estilo. O primeiro foi um esforço da blogueira para chegar na conta bancária “em azul” por não comprar roupas por um ano. O segundo é de consultoras de moda que acreditam no lema “menos é mais”.

E falando em menos, tem o blog menos da Claudia Regina que, mesmo rejeitando o adjetivo “minimalista”, vive com um guarda-roupa ínfimo – e esse eu vi em primeira mão!

É claro que quem se dispõe a participar num desses desafios sabe onde o calo aperta. Tem gente que trabalha em casa e não precisa mesmo de tanta roupa, tem gente que mora em lugar quente e teria que botar a lavanderia para funcionar a full, tem quem realmente não consegue ficar sem mil opções. De qualquer maneira, é interessante observar que ter tudo ao mesmo tempo agora não precisa ser o padrão.

Se até o Obama conseguiu simplificar, quem não consegue?



Leave a Reply