Que o Natal existe, que ninguém é triste…

December 26th, 2009 | | 2 Comments »

Em novembro, quando as primeiras decorações de Natal começaram a aparecer nas lojas, resolvi fazer uma pesquisa sobre os hábitos e tradições dos meus amigos. Meu objetivo era descobrir se tem muita gente que detesta essa época do ano e faz tudo por obrigação ou se os costumes são deliberados.

Divulguei o questionário aqui e no twitter. As respostas vieram devagarinho, e a pesquisa foi respondida 37 vezes. Excluí as duas pessoas responderam mais de uma vez, por pura distração (oi, Evandro! oi, Min!), e o anônimo que respondeu que presenteia carros populares no Natal. Os resultados abaixo se referem às 34 respostas válidas.

idade
religiao

Só a demografia já aponta como meus amigos são estranhos. Os respondentes têm de 21 a 44 anos (ninguém mais velho que isso!), alguns não quiseram responder a idade. Muitos também não responderam a religião, mas dá pra ver que tem mais ateus, agnósticos e pagãos do que cristãos.

arvore
presepio
decoracao

Ao contrário do que eu pensava, muita gente não monta árvore de Natal e pouquíssima gente monta presépio. As outras decorações são meio a meio. Eu não faço nada na minha casa, mas tenho um Jesus Cristinho que coloco na manjedoura quase todos os anos. Minha mãe é louca por Natal e muito católica, então lá em casa tem uma árvore cheia de enfeites (“uns 350”, ela diz casualmente) e sempre mais de cinco presépios, além de guirlanda, coroa do advento, várias coisinhas em forma de Papai Noel e boneco de neve e um lacinho em cada puxador de cada armário. Ufa!

cartoes

Eu me lembro da época em que recebíamos uns 30, 40 cartões por ano. Além dos amigos e conhecidos, várias empresas aproveitavam a ocasião para fazer marketing. Nós também mandávamos os nossos cartões (ou aerogramas natalinos dos correios) e eu ficava muito feliz de ajudar a minha mãe a passar os endereços a limpo, endereçar os envelopes, ouvir as histórias de cada pessoa da nossa lista. Dessa tradição eu sinto falta, mas sei também que a opção “mandar pela internet” – sejam cartões, posts ou emails – é bem mais sustentável.

ceia

Todo mundo come à beça, né? Ninguém disse que não participa de ceia de Natal. Os que responderam que gostariam de não participar o fazem por motivos opostos: um vai só pra ver os parentes e agradar a mãe, outra confessa que vai só pela comida mesmo.

viagem

Essa foi pra ver quem tem parente longe…

festa empresa

Não sabia que tinha tanta gente achando bacana a festa da empresa! Mas ficou dividido: um terço acha bacana, outro terço acha chato ou falta, e os outros não têm festa pra ir.

música
comerciais

Eu achei que absolutamente ninguém gostasse de música e comercial de Natal. Tem gente que gosta! Incrível! Recado aos que, como eu, não são fãs: desliguem a tevê e saiam do shopping. Ou procurem músicas melhores pra ouvir.

amigo

Esse negócio de amigo oculto/secreto/invisível é uma xaropada só. Se eu tivesse uma família gigante e fosse caro comprar presente para todos, vá lá que seja, mas amigo oculto da ginástica, do trabalho, … É tão impessoal! Eu participava quando estava no colégio e na faculdade, e olhe lá. Não participo há uns 3 anos. Parece que nesse quesito eu estou em minoria…

presenteados
gasto por presente
gasto por ano

Perguntei isso por curiosidade. É legal ter uma idéia de como as pessoas estão distribuindo os gastos nessa época.

tipos de presentes

Meus amigos presenteiam com livros, roupas e brinquedos.

Você gostaria de mudar suas tradições de Natal? O que você faria diferente?

Dez pessoas disseram que o Natal está bom do jeito que está.

Um amigo disse que faria dois Natais por ano.

Cinco pessoas disseram que aboliriam de vez o Natal.

“Só acompanho o Natal das famílias por política da boa vizinhança.”

“Não tenho tradição, participo passivamente das festividades familiares por falta de opção e pela oportunidade de ver parentes distantes.”

“Os meus hábitos estão de acordo com o que eu penso, com o que eu sinto. Mas, se eu tivesse poderes para mudar a tradição da sociedade como um todo, eu mudaria. Por mim, somente os cristãos de verdade celebrariam o Natal, o dia 25 de dezembro não seria feriado porque vivemos num Estado laico, e o Natal passaria batido. Eu não desejo “Feliz Natal” a ninguém, mas, todo dia, desejo felicidade àqueles de quem gosto.”

Uma pessoa gostaria de viajar.

Quatro pessoas têm vontade de ficar em casa em vez de fazer a ceia na casa dos outros.

“Ficaria em paz, na minha casa, vivendo uma noite como qualquer outra, sem pressão do resto da família pra comparecer a um evento.”

“Queria receber a família na minha casa. Cansei de ir pra casa dos outros!”

Cinco respondentes mencionaram os amigos, já que nessa data se privilegia a família biológica, e uma outra pensa em passar a data com alguém que esteja só.

“Se pudesse escolher, passaria o Natal rodeada de amigos, e não apenas com a família. Meu sonho é fazer uma grande festa com os amigos, mas eles sempre têm de ficar com a família.”

“Gostaria apenas de não ter hora para fazer as coisas e de poder ir à casa dos meus amigos. Na minha família não se come antes da meia-noite e ninguém pode sair da casa da minha avó.”

“Eu estou pensando em passar com alguém que precise de companhia. mas ainda estou desenvolvendo essa idéia na minha cabeça.”

Seis pessoas queriam menos correria, menos consumismo, menos pressão.

“Queria não ter a paranoia de presentes, amigos ocultos e reuniões/chopes de fim de ano. É cansativo, estressante… Para mim, é uma época e um dia de reflexão, de ponderar o ano, de pensar no próximo, rever as coisas, fazer planos, sonhar um pouco e não o corre-corre, shoppings lotados, consumismo desenfreado.”

“Gostaria de saber presentear melhor com coisas menores, ou aprender a dar ‘experiências’.”

“Presentes mais baratos, menos histeria de comprar presentes pra todo mundo, mais reuniões com os amigos.”

“Gostaria de propor um natal mais leve, com algum tipo de presente feito coletivamente pela família, que pudesse ser aproveitado por todos.”

Duas pessoas mudariam coisas na ceia e tropicalizariam o Natal:

“Mudaria os cardápios de Natal. Aboliria de vez o peru. Mas conservaria a rabanada. Essa é boa demais.”

“Adaptaria o Papai Noel ao nosso clima tropical. Aliás acho que seria mais legal explorarmos e exercitarmos mais a humanidade, a solidariedade e abandonarmos essa ideia materialista e egocêntrica que nunca teve nada a ver com o menino Jesus. E faria uma ceia mais leve, natureba.”

Só uma pessoa confessou…

“Nunca parei para pensar.”

Desconfiei desde o princípio… Gostei de ver as respostas à enquete. Parece que pelo menos as pessoas que responderam estão levando o Natal numa boa, sem muitas obrigações insuportáveis. A maioria parece estar aproveitando as próprias tradições. Quanto ao materialismo, eu sugiro que se fale mais sobre isso. Muitas vezes silenciamos para não ficarmos com fama de chato (ou hippie, no meu caso), mas quem sabe seus familiares e amigos não estão, secretamente, esperando alguém se manifestar sobre isso?

Desejo a vocês todos um feliz Natal, cheio de paz, saúde, alegria, pessoas queridas e escolhas simples!


2 Comments on “Que o Natal existe, que ninguém é triste…”

  1. 1 Lucia Freitas said at 19:39 on December 26th, 2009:

    Hey, Maffalda
    Adorei a pesquisa e amei ver os resultados. Parabéns pelo trabalhão no Natal!
    beijo

  2. 2 Renata Fern said at 23:15 on December 26th, 2009:

    Oie! A pesquisa foi ótima!!! Algumas respostas me surpreenderam. Mas eu reconheci a minha.. :P

    Beijo.


Leave a Reply