Eu dizia o seu nome

January 11th, 2018 | | 2 Comments »

Eu tiro os rótulos. Literalmente. Xampu tem uma cor, condicionador tem outra, sei que ao lado da pia da cozinha está o detergente, não me venham presentear com o pote de vidro escrito: “farinha”, pois se eu quiser botar açúcar vou ficar incomodada. Trabalho cá dentro pra tirar os rótulos do resto também, das pessoas, das relações, das artes – embora nem sempre consiga.

Mas tem um outro lado meu que gosta dos nomes. Dar nome, essa coisa tão americana, ajuda a pensar coisas. Um nome não necessariamente define, mas delimita, é uma beleza, uma ajuda no sentir. Ou um toque de inesperado – como aquela amiga querida que dá nome de gente ao carro, ao telefone, à panela, ao peixe, surpreendendo as pessoas com seus Osvaldos. Amo os nomes: café 22, botecamp, dez pro bem, café corrente, simplim, tão simples, não posso ver um projeto que já vou batizando. É carinho.

No fim, o que conta é mesmo entender como a cabeça funciona e como ela se arruma pra lidar com o de fora: a confusão, a demora, a impossibilidade, e até suas irmãs harmonia, urgência, realização – porque o bom também estressa. Explicando o mundo me acalmo. As palavras, elas sempre.

shampoo, condicionador, gel de banho - foto.

by-nc-nd 2.0, some rights reserved by ALWH – flickr.com/photos/alwh


2 Comments on “Eu dizia o seu nome”

  1. 1 Lucia Freitas said at 20:59 on January 22nd, 2018:

    ô diliça de texto. adoro seu jeitim de tirar rótulos – e de dar nomes também.
    <3 <3 <3

  2. 2 denise said at 09:15 on February 14th, 2018:

    Gosto disso, também também. Algumas coisas aqui em casa têm nomes. Como as partes íntimas, hehe. O carro, a Princesinha chama de Gasparzinho, por ser branco. Talvez, assim, ao nomeá-las, as coisas criam vida para nós.
    beijo, menina


Leave a Reply